Gerenciamento de Áreas Contaminadas

Programa de Monitoramento Preventivo

O Programa de Monitoramento Preventivo é um procedimento utilizado na avaliação da qualidade do solo e das águas subterrâneas que, baseado no modelo conceitual elaborado na Avaliação Preliminar, potencializa a identificação de aportes de contaminantes para os meios físicos.

Em consonância com a Decisão de Diretoria Nº 038/2017/C da CETESB, o estabelecimento de um Programa de Monitoramento Preventivo o estado de São Paulo torna-se obrigatório para todas as áreas com potencial de contaminação onde ocorra o lançamento de efluentes ou resíduos no solo como parte de sistemas de tratamento ou disposição final, áreas potenciais onde ocorra a fundição secundária ou a recuperação de chumbo e/ou mercúrio e áreas potenciais onde ocorra o uso de solventes halogenados.

Avaliação Preliminar

A etapa de Avaliação Preliminar consiste na compilação de informações históricas e atuais a respeito do uso, das atividades e dos processos desenvolvidos na área de interesse, obtidas em visita técnica à área e análise documental, com o objetivo de identificar áreas com potencial ou suspeita de contaminação.

A execução da Avaliação Preliminar permite:

  • Determinar a necessidade de adoção de medidas emergenciais para a área
  • Representar graficamente a localização de áreas com potencial ou suspeita de contaminação
  • Elaborar o modelo conceitual inicial, o qual define as áreas de interesse investigativo, os mecanismos de liberação e de transporte da contaminação e assim subsidia o desenvolvimento da etapa de investigação confirmatória

Investigação Confirmatória

Baseada nas informações da etapa de Avaliação Ambiental Preliminar é desenvolvida a Investigação Confirmatória que por meio da coleta e análise laboratorial de amostras de solo, água, sedimentos e/ou gás, obtidas na região das áreas potenciais e suspeitas de contaminação elencadas no modelo conceitual inicial, permite:

  • Confirmar ou não a ocorrência de passivo ambiental na área
  • Elaborar o mapa potenciométrico inicial da área
  • Avaliar a necessidade de execução das etapas de Investigação Detalhada e Avaliação de Risco à Saúde Humana
  • Direcionar as investigações subsequentes quanto aos alvos de interesse investigativo detalhado
  • Atualizar o modelo conceitual inicial

Investigação Detalhada

O desenvolvimento da etapa de Investigação Detalhada pressupõe a confirmação da existência de contaminação em pelo menos uma das áreas classificadas como de potencial ou suspeita de contaminação.

Nessa etapa, com base no modelo conceitual elaborado na etapa de Investigação Confirmatória, ocorre o adensamento e refinamento da aquisição e análise de um maior número de amostras de solo, água, vapor e/ou sedimentos com o intuito de:

  • Avaliar e identificar detalhadamente as características físicas, químicas e hidrogeológicas das áreas impactadas ambientalmente
  • Identificar e determinar os contaminantes presentes na área, suas concentrações, distribuição espacial e limites das plumas de contaminação (horizontal e verticalmente) e sua taxa de propagação
  • Adquirir informações técnicas específicas de forma a permitir elaborar a Avaliação de Risco à Saúde Humana de forma personalizada para a área
  • Atualizar o modelo conceitual da área

Avaliação de Risco à Saúde Humana

A Avaliação de Risco à Saúde Humana é um processo que permite a avaliação e quantificação do risco gerado à população exposta aos contaminantes identificados na área em todos os possíveis cenários.

Dessa forma, é potencializada a melhor tomada de decisão quanto à necessidade de implementação de um plano de intervenção.

A etapa de Avaliação do Risco à Saúde Humana tem como objetivos:

  • Avaliar a exposição e quantificar o risco à saúde humana considerando-se os contaminantes presentes na área e suas concentrações, as características do meio físico e os cenários de risco
  • Definir as concentrações máximas aceitáveis de cada contaminante evidenciado na área
  • Quantificar as metas de remediação a serem alcançadas, caso necessário
  • Concluir sobre a necessidade ou não de se estabelecer um plano de intervenção com base nas metas de remediação de forma a potencializar a recuperação da área contaminada tornando-a reabilitada para o uso declarado
  • Atualizar o modelo conceitual
  • Atualizar a classificação da área

Modelagem Matemática de Águas Subterrâneas

A partir da elaboração de um modelo matemático é possível compreender a dinâmica de um fenômeno em estudo tornando-se possível sua avaliação frente a diversos fatores condicionantes específicos o que possibilita prever sua evolução.

O escopo de trabalho da POROS oferece:

  • Modelagem matemática de águas subterrâneas
  • Modelagem de plumas de contaminação

"

Monitoramento Ambiental

O Monitoramento Ambiental é um processo de observação, registro e interpretação da dinâmica do meio físico e da característica de migração, ou não, da contaminação. Embasado em campanhas de amostragem e medições, direcionadas aos aspectos físicos, químicos, biolégicos e hidrogeológicos específicos da área, permite:

  • Avaliar a qualidade da água, solo, ar e sedimentos
  • Interpretar a tendência da contaminação
  • Avaliar a eficiência de processos de remediação
  • Subsidiar medidas de controle ou de remediação ambiental.

Plano de Intervenção

Conhecidas as características físicas, químicas, biológicas e hidrogeológicas da área, o uso e ocupação do local, a extensão da contaminação e as metas de remediação a serem alcançadas é desenvolvido, caso necessário, o Pano de Intervenção com a finalidade de determinar quais as medidas, sejam elas medidas de controle institucional, medidas de engenharia ou de remediação por contenção ou tratamento, deverão ser adotadas e como serão desenvolvidas na área, visando a obtenção do Termo de Reabilitação para o Uso Declarado da área.

Dessa forma, o Plano de Intervenção deve:

  • Elencar as medidas de intervenção a serem adotadas para a área
  • Confeccionar o mapa de intervenção, com a indicação dos locais onde serão aplicadas as medidas de intervenção
  • Determinar a duração de sua aplicação
  • Selecionar a técnica de remediação a ser aplicada, caso se faça necessário
  • Apresentar o projeto executivo do sistema de remediação, caso necessária à sua implantação

Instalação, Operação e Avaliação do Desempenho de Sistemas de Remediação

Execução de serviços de engenharia para a instalação, operação e manutenção de sistemas de remediação e o monitoramento da eficácia e eficiência do sistema por meio de amostragens e medições periódicas.

As técnicas de remediação convencionais são:

  • Atenuação natural monitorada
  • Pump and Treat
  • Extração de Vapores
  • Air Sparging
  • Extração Multifásica
  • Oxidação e Redução Química

Monitoramento para Encerramento

A etapa de Monitoramento para Encerramento visa à finalização do processo de gerenciamento de áreas contaminadas. Esta etapa, tipicamente composta por campanhas semestrais de amostragem contempla:

  • A realização de campanhas de amostragem para avaliar o efeito da sazonalidade na área
  • Comparação dos resultados laboratoriais das concentrações das amostras analisadas com as metas de remediação
  • Reclassificação da área.